domingo, 26 de julho de 2009


Disse o grande Drummond que a poesia é uma "decifração do difícil mundo das palavras". Pedia o autor para que não se fizesse poesia de acontecimentos pessoais ou coletivos. Embora Drummond também tenha dito que a poesia é "a linguagem de certos instantes, e sem dúvida os mais densos e importantes da existência" , para o autor fazer poesia era doar a vida na luta com as palavras, na depuração das palavras, na construção de objetos de palavras...

Creio que a poesia seja a expressão dos sentimentos, frustações, medos, alegrias, sonhos, percepções e vivências. Para mim ela é antes de tudo o grito que o autor não quer calar... é revolta... contemplação... é tudo que tentamos entender ou que não sabemos explicar...

.

sábado, 25 de julho de 2009

Busca

Na imensidão de encontros,
Um turbilhão de desencontros.
Multidões que procuram
Semelhança e identidade.

Se questão de tribo fosse,
A solidão seria extinta.
Não é cabelo, esporte e roupa
É sintonia e química.

E vagando lá vão eles,
Pelas ruas da esperança.
Topando, dançando, rindo.
Pensando, sofrendo, descobrindo.

Aos sons delirantes e bebidas inebriantes,
Todos ficam mais interessantes.
Fictício encontro, momentânea contemplação...
Tornando-se desencontro na primeira reflexão.

Por vezes se encontra ao longe,
O que difícil se tem por perto.
Que fazem agora eles?
Se distantes se têm tão perto?

Encontro não é medição,
Não é abraço que aquece,
Beijos que enlouquecem,
Ou  pernas que se cruzam.

Encontro é muito mais que isso!
É pensar e estar junto, é morar dentro do outro,
É filosofia idêntica, é vontade de aprender,
É querer mais que viver!

Não é questão de corpo,
É assunto d’alma!
Não é cego ou inconseqüente,
É seguro, belo e convincente!

Luana Carvalho